segunda-feira, 16 de agosto de 2010

One second they are here, the other they are not

E passei estas férias pelo maior de todos os sustos. (Não com os meus, mas com a filha de uma amiga, que estava connosco.)

E todo o cuidado é, facto, pouco, é tudo o que tenho a dizer.

6 comentários:

maedoskiduxos disse...

Eu passei por isso o ano passado, com a minha e, ainda que seja igualmente horrível em ambos os casos, acho que quando é com filhos de outros os nervos ainda devem ser maiores, se é que isso é possível...
Passou...agora é respirar de alívio...
Bjs

Luz de Estrelas disse...

Um segurança contou-me há dias um episódio aterrador. Criança perdida no hiper, mãe vai aos securitas queixar-se, em vez de procurar desesperadamente pelos corredores. Os seguranças fecham as portas principais, só dp procuram. Encontraram a menina no WC com um tarado que já lhe tinha rapado o cabelo, para fugir dali com ela. Foi em Portugal, não é coisa de filme. Nem nos é permitida uma única distraçcão.

Mimi disse...

Que angústia deve ter sido ://
Todos os olhos são poucos mesmo.

calamity jane disse...

até me estou a arrepiar...

Lara disse...

Ainda não consigo recordar sem chorar... ainda não consigo recordar sem sentir aquela angústia de cada minuto a passar...
Mas uma coisa consigo recordar: Friends Forever. Nunca vou esquecer o teu olhar, o do Flores... Acho que esse dia nos uniu para sempre. Bem, mas se te serve de consolo, conheço uma menina que nunca mais falou nisso! ;)

Little Miss Sunshine disse...

Aconteceu-me também o ano passado, no Algarve. O meu único pensamento era, se o meu filho não aparece eu quero morrer. Já não conseguia andar nem respirar, nem nada. E sim, passou mais de um ano e cada vez que me lembro só me dá vontade de chorar.
Agora sempre que vamos a algum lado e eu aviso que temos de ir SEMPRE de mão dada o rapaz queixa-se: ''oh mãe mas tu apertas a minha mão com tanta força'' :)